Navegar

29 de June de 2018, 11:51h

Medalhista Luize D’Urso é entrevistada do Podcast da Piauí

 

Karine Rodrigues

“Os problemas não preferem homens ou mulheres”. A frase é de Luize Mello D’Urso Vianna, carioca de 21 anos, sete medalhas de ouro conquistadas na OBMEP, vice-líder da vitoriosa equipe que, e abril, representou o Brasil na European Girls’ Mathematical Olympiad (EGMO), entre outras inúmeras conquistas em Matemática. Vê-se, portanto, que ela sabe o que diz.

Leia também: Em Coruripe (AL), projeto melhora desempenho na OBMEP
O ‘milagre’ do uso de algoritmos matemáticos sofisticados
IMPA e IMS firmam parceria com foco em acervo fotográfico

A longa vivência em competições de Matemática, iniciada aos 11 anos, quando estreou na OBMEP, permite a Luize discorrer, com desenvoltura, sobre a questão de gênero na área como convidada do “Maria Vai com as Outras”, podcast da Rádio Piauí dedicado à mulher e ao mercado de trabalho, apresentado pela linguista e professora da PUC-Rio Branca Vianna. Luize foi entrevistada no episódio sobre mulher na Ciência, que ouviu também a biológa Ana Carolina Carnaval, professora da The City University of New York.

Ouro desde a 1ª OBMEP

Estudante de graduação na PUC-Rio e já veterana nos concorridos cursos do Programa de Verão do IMPA, Luize sustenta que a predominância masculina em Matemática nada tem a ver com certa incapacidade das meninas, como ela já ouviu tantas vezes, desde a infância.

O desestímulo pesa, avalia a estudante, contando que, mesmo tendo recebido incentivo em casa e crescido “sem medo de Matemática”, por diversas vezes se sentiu incomodada ao se deparar com tão poucas mulheres como professoras e nas competições da área.

“Isso é um pouco dolorido. Faço Matemática porque quero ser professora de Olimpíada. Num dado momento, percebi que não tinha nenhuma mulher ali. É uma questão de representatividade. Você não se vê naquele lugar. Aí você acha que, de repente, não consegue.”

A situação é tão incômoda que Luize decidiu agir antes mesmo de concluir a graduação. Aos sábados, dá aulas gratuitas de Matemática para meninas que desejam participar das olimpíadas. “Para compensar a balança”, diz referindo-se à falta de incentivo que tantas vezes testemunhou.

Com a equipe do Brasil na Olimpíada Europeia deste ano: quatro medalhas conquistadas

Para saber mais sobre a experiência de Luize, ouça o podcast “Maria Vai com as Outras”, disponível em todos os tocadores (SoundCloud; Spotify; Stitcher; iTunes), em áudio no Youtube ou no seu navegador de preferência, no site da Piauí. O programa vai ao ar quinzenalmente e foi criado, segundo Branca, para acrescentar mais um importante tópico às questões femininas: a mulher no mercado de trabalho.

Segundo destacou na apresentação do programa, 40% por cento das famílias brasileiras são chefiadas por mulheres: “Elas ganham 25% menos que os homens, e isso tem consequência na renda de quase metade das famílias. No fim das contas, essa disparidade afeta a distribuição de renda no país.”

Leia também:Prêmio IMPA-SBM de Jornalismo reúne 72 trabalhos
Ciclo IMPA-Serrapilheira mostra que a Matemática pode ser pop