Navegar

30 de November de 2017, 11:37h

Domínio do Português ajuda na Matemática

Ser bom em língua portuguesa pode ser um passo importante para os alunos se darem bem em Matemática, garantiu o professor Pasquale Cipro Neto em sua coluna “A Nossa Língua de Todo Dia”, na rádio CBN.

A interpretação de texto é fundamental para qualquer disciplina, principalmente para compreender o enunciado. Segundo ele, questões matemáticas ficam mais claras com uma boa leitura.

Leia também: Medalhistas da OBMEP devem confirmar inscrição no PIC
As muitas dimensões da Matemática de Midory Quispe
Curso de Verão: IMPA prorroga prazo para requisição de bolsas

“Quero lembrar, antes de qualquer coisa, que tudo é texto! Quem não souber ler, vai mal na prova de química, na prova de física, na prova de biologia, na prova de história, na prova de geografia… Porque, antes de qualquer coisa, é preciso entender o enunciado, que por acaso é escrito em português. (…) Não adianta saber matemática o quanto quiser. Se não entende o problema, não vai resolver”, disse ele. Pasquale citou a participação de Marcelo Viana e Carolina Araujo, pesquisadores do IMPA – descrito por ele como um “instituto de excelência” – no programa Conversa com Bial, exibido em 13 de novembro.

Ele cita uma questão da Fuvest que pedia aos vestibulandos o quadrado de 10%. “Claro que a resposta mais votada foi 100%”, lembra Pasquale. No entanto a resposta está incorreta. O professor de português mostra que a falha de entendimento do enunciado fez com que muitos tenham errado a questão. “O quadrado de 10% não é o quadrado de dez, mas é o quadrado de dez dividido por cem”.

“É tão simples, é só ler! Claro que há conceitos matemáticos envolvidos, mas são maneiras de ler, apresentar e grafar. Precisamos estimular o raciocínio, a leitura, a compreensão”, disse Pasquale.

Ele sugere que os professores não apresentem a Matemática como puro e simples cálculo, mas “traduzam” as expressões para português compreensível, para ajudar a melhorar o desempenho dos estudantes. “Se o professor não faz isso, cria um mistério, algo absolutamente abstrato que parece que vai do nada ao nada. É preciso ler. Entender o que se lê.”

Ouça o áudio completo aqui.