Navegar

6 de December de 2017, 08:51h

Boletim de Alan Turing aponta dificuldade em Matemática

O matemático britânico Alan Turing, um dos responsáveis pela quebra dos códigos secretos usados nas comunicações nazistas durante a Segunda Guerra Mundial, não é considerado o pai da computação e da inteligência artificial à toa. Seu pioneirismo e brilhantismo nessas áreas geram, até hoje, importantes avanços tecnológicos.

Seus professores no Ensino Médio, no entanto, não perceberam rapidamente essa genialidade. Pelo menos é o que mostra um boletim escolar exposto ao público pela primeira vez pelo Fitzwilliam Museum, em Cambridge, na exposição “Codebreakers and Groundbreakers”, que ficará em cartaz até 4 de fevereiro do próximo ano.

Leia também: Avila é premiado pela Câmara de Comércio França-Brasil
Matemático critica modelo de sorteio da Fifa, na Folha
Estudo de Harvard mostra efeito positivo da OBMEP nas escolas

No documento de 1929, quando Turing tinha 17 anos, seu desempenho escolar é avaliado pelos professores da Sherborne School. Os mestres destacaram as supostas deficiências do futuro cientista em leitura e escrita em inglês e sua fraqueza com o francês. Nem mesmo na Matemática seus conhecimentos eram vistos com otimismo.

O professor de Física não demonstrava muita esperança no futuro do aluno: “Ele deve lembrar que Cambridge vai querer conhecimentos sólidos em vez de ideias vagas”.

Já o professor de Matemática, apesar de elogiar os trabalhos de Turing pelo potencial, que já se evidenciava, alertava: “A habilidade de colocar as soluções num ensaio — inteligíveis e legíveis — é fundamental para um matemático de primeira linha”.

O fato é que anos mais tarde Turing deu de ombros para as críticas e se formou com honras em Matemática na Universidade King’s College, em Londres.

Exposição

Além do boletim crítico de Alan Turing, a exposição apresenta mais itens sobre sua vida pessoal e a carreira profissional, como a famosa máquina Enigma e a bomba eletromecânica, conhecida como “Bombe” e desenvolvida por ele para decifrar a criptografia alemã.

Ainda estão expostos um livro de ciências que contém um capítulo sobre quebra de códigos e uma colher recolhida após sua morte, em 1954. Embora a maioria dos biógrafos defenda a ideia de que Turing cometeu suicídio com cianeto após ter sido forçado a aceitar a castração química para evitar a prisão por homossexualidade, sua mãe, Ethel qualificava a morte como acidental. Segundo ela, Turing teria se contaminado ao manusear o veneno, durante tentativa de folhear a tal colher com ouro.

Assista ao vídeo: