Navegar

6 de November de 2018, 13:55h

As cinco melhores piadas matemáticas de Futurama

Personagens de Futurama

Para muitos, ciência e entretenimento não têm muita afinidade. Matt Groening pensa diferente disso. Criador de The Simpsons e Futurama, ele costuma colocar pitadas de matemática nas séries. À primeira vista, estas referências passam despercebidas, mas para quem conhece bem a disciplina fica fácil detectar.

Futurama nasceu em 1999 sob a tutela de Groening e David X. Cohen. Ela acompanha o dia a dia de Philip J. Fry, um entregador de pizza nova-iorquino do final do século XX que é acidentalmente congelado criogenicamente durante mil anos. Quando “acorda”, está no século XXXI. Vira entregador da Planet Express, uma empresa interplanetária de entregas. Os melhores amigos de Fry são a ciclope Turanga Leela, que é capitã da Nave Planet Express, o robô alcóolatra Bender, o professor Hubert J. Farnsworth, entre outros.

Leia também: Serrapilheira abre inscrições para apoio à pesquisa científica
Entre o distrito de Lagoa da Cruz (PB) e o Canadá, a Matemática
Algoritmo ajuda na criação de contos de terror no Halloween

A série inicialmente produzida pela Fox foi cancelada em 2003. Porém foi retomada em 2008 pelo canal Comedy Central e ficou no ar até 2013, quando deu adeus de vez aos fãs.

Separamos aqui uma lista com cinco referências matemáticas escondidas de Futurama. Boa diversão!

No episódio “Quero meu corpo de volta“, exibido na segunda temporada, logo atrás da mão direita de Amy-Fry estão dois arquivos marcados com as letras P e NP. Obviamente é uma referência ao problema P x NP, um dos maiores mistérios matemáticos ainda não resolvidos, cuja resposta vale 1 milhão de dólares!

Na mesma temporada, outra brincadeirinha sutil. Em “Rôbocar assassino“, Bender herda o castelo de seu tio Vladimir no Império Robô-Húngaro. O que nem todos sabem é que o personagem sofre de hexacosioihexecontahexafobia, também conhecida como o medo do número 666.
Não à toa, Bender fica assustado ao ver os dígitos 1010011010 escritos em sangue numa parede e depois em um espelho do castelo. Quem entende de código binário sacou a brincadeira: os dígitos formam o 666.

No ano seguinte a brincadeira foi mais leve e fácil de entender. No episódio “Os parasitas perdidos”, Fry está infectado com vermes de um sanduíche e a tripulação da Nave Planet Express resolve fazer uma viagem através do corpo dele para erradicar os novos hóspedes. Eis que se deparam com a placa: Historic √66 (Histórica √66, em tradução livre), em clara referência à lendária Rota 66, nos EUA.

Agora complicada mesmo foi a referência de “Moebius Dick”, na sexta temporada. Além de o nome fazer trocadilho com a literatura e a obra Moby Dick, de Herman Melville, também brinca com a Faixa de Moebius, uma superfície matemática unilateral. Nesta história, Leela fica obcecada em caçar uma baleia quadridimensional e diz: “O que não é orientável e vive no oceano?”. Só os experts nos números para entender!

Para fechar esta lista, uma referência bem geek aparece na temporada 5 em  “O grande golpe de Bender”. Numa grande confusão, Fry retorna ao século XX e embarca num tradicional táxi de Nova York com a numeração: 87539319.

Para os leigos é um número qualquer, mas para os entendidos em matemática trata-se nada menos do que um número taxicab, também conhecido como número de Hardy-Ramanujan. Ele é usado para expressar a soma de dois cubos positivos em n ou mais maneiras diferentes, neste caso: 87.539.319 = 1673+4363 = 2283+4233 = 2553+4143.

 

Leia também: Olimpíada de matemática abre as portas aos pequenos
IMPA e Itaú Social ampliam parceria para formar professor
Programas temáticos podem receber até R$ 200 mil