Navegar

21 de May de 2020, 11:38h

Pico de epidemia deve ocorrer em 14 de julho, sem lockdown

Foto: Rovena Rosa/ Agência Brasil

Reprodução do blog do IMPA Ciência & Matemática, de O Globo, coordenado por Claudio Landim

Claudio Landim

O primeiro boletim sobre Epidemiologia Matemática da Escola de Matemática Aplicada da Fundação Getúlio Vargas (FGV-EMAp), projeta que, mantendo-se o distanciamento social na faixa atual de 50%, o pico da epidemia deve ocorrer em meados de julho. Se a política de confinamento não for alterada, em setembro, o número de novos casos diários será similar ao dos dias de hoje. Para controlar e diminuir a propagação da epidemia, seria preciso elevar o distanciamento social a 70%.

Leia também: Na Folha de S.Paulo, a busca pela estrutura do átomo
Jacob Palis é homenageado em série ‘Cientistas do Brasil’
Em live, Viana dá panorama histórico dos sistemas dinâmicos

Dois matemáticos da Unicamp, Paulo Silva e Claudia Sagastizábal, disponibilizaram uma plataforma, atualizada diariamente, que apresenta a taxa média de replicação do vírus em algumas cidades e regiões do país (o número médio de pessoas infectadas por cada indivíduo contaminado). Essa taxa permite prever o número de novos casos e de óbitos.

Para ler o texto na íntegra acesse o site do jornal

Leia também: IMPA ganha prêmio de inovações tecnológicas
Luiz Paulo Moreira defende tese em grafos aleatórios