Navegar

15 de May de 2020, 15:23h

Jacob Palis é homenageado em série ‘Cientistas do Brasil’

“Precisamos criar mais mecanismos para rastrear os talentos precoces para as ciências, dando-lhes oportunidade e incentivos. Só com um contingente de cérebros na área é possível melhorar o ensino e produzir inovação”, garante Jacob Palis. A filosofia que atravessa a vida do pesquisador emérito do IMPA e as incontáveis iniciativas que multiplicaram os expoentes da matemática no Brasil são celebradas em um episódio da série “Cientistas do Brasil que você precisa conhecer”, do Nexo Jornal.

O vídeo, com quase 5 minutos, narra a trajetória acadêmica de Palis e destaca entre seus feitos a formação de novos expoentes da matemática. “Jacob orientou 41 doutorandos que orientaram outros 274 pesquisadores, um impacto em progressão geométrica da matemática brasileira.” O resultado deste trabalho iniciado por Palis e outros pioneiros levou o Brasil para a elite mundial da matemática em 2018. 

Leia também: Marilda Sotomayor é eleita para a Academia Americana de Ciências
Em live, Viana dá panorama histórico dos sistemas dinâmicos
IMPA ganha prêmio de inovações tecnológicas

O matemático cresceu em uma família que valorizava o conhecimento, em Minas Gerais. Filho de mãe síria e pai libanês, o caçula de oito irmãos se mudou aos 16 anos para o Rio de Janeiro para cursar o Ensino Médio. Passou em primeiro lugar para engenharia nas duas vezes em que prestou vestibular, e a segunda prova só foi necessária porque, na primeira, Palis era muito jovem para ingressar na Universidade do Brasil (depois chamada de Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ). 

Próximo ao término da faculdade, frequentou cursos do IMPA e do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF). Formou-se como o melhor aluno da universidade e teve o interesse para matemática direcionado por alguns professores. Nos anos 1960, foi para a Universidade da Califórnia (EUA) orientado pelo professor Stephen Smale, onde cursou o doutorado com foco nos sistemas dinâmicos.

Mesmo com convite para continuar como professor assistente em Berkley, Palis voltou ao Brasil em 1969 para atuar na UFRJ e no IMPA. Conseguiu o financiamento pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento e Social) para estabelecer um forte programa de doutorado no IMPA, motivado pela criação e fortalecimento de programas acadêmicos voltados para a matemática no Brasil.  

A experiência em captar recursos e aplicar no desenvolvimento acadêmico fez com que Palis ocupasse cargos como a presidência da Academia Brasileira de Ciências, da Sociedade Brasileira de Matemática, da União Internacional da Matemática (IMU, na sigla em inglês) e o cargo de diretor-geral do IMPA por dez anos. 

Além disso, o matemático foi o primeiro brasileiro a integrar a Academia de Ciências da China. Já foi membro do Conselho Científico de Centro Internacional de Física Teórica (ICTP, na sigla em inglês) e também ocupou a presidência entre 2003 e 2005. Na Academia Mundial de Ciências (TWAS), esteve como secretário-geral de 2001 a 2006 e eleito presidente da entidade de 2007 a 2012. Na lista de prêmios de Palis, destacam-se a Medalha Abdus Salam, o Prêmio Grã-Cruz da Ordem Nacional do Mérito Científico, o Prêmio Interamericano para Ciência e o Prêmio Balzan, entre outros. 

Em março de 2020, os 80 anos do pesquisador foram celebrados em uma série de eventos no IMPA, na Academia Brasileira de Ciências e na PUC-Rio. 

A série de vídeos “Cientistas do Brasil que você precisa conhecer, apoiada pelo Instituto Serrapilheira, está disponível no YouTube e traz outros 11 nomes de especialistas que promoveram impactos revolucionários na ciência brasileira. Entre os pesquisadores, estão Carlos Chagas, o sanitarista que dedicou a vida para levar saneamento e atendimento médico para o interior do Brasil; Bertha Lutz, a bióloga que liderou a luta pelos direitos das mulheres, e Milton Santos, geógrafo que expandiu as fronteiras da geografia.

Confira o vídeo:

Leia também: Walner Mendonça defende tese sobre teoria de Ramsey
Em artigo no JB, medalhista relata impacto da OBMEP